Baixa do IPI dos carros prorrogado até final de 2013

|

Mais uma vez o governo prorroga o desconto do IPI, visando manter o setor automotivo aquecido.


Quem correu as lojas para comprar seu carro zero km e assim aproveitar os descontos do IPI que iria ser reajustado neste dia primeiro de abril, poderia ter ido com menos sede ao pote, afinal a alíquota do IPI para carros 1.0 que era de 0% em dezembro e havia passado para 2% em Janeiro e iria para 3,5% agora neste inicio de abril, vai continuar em 2% até dezembro de 2013, ou seja, quem adiou a compra do carro zero ainda poderá encontrar o desconto do IPI nas concessionárias até o final do ano.

acoes em quedaE essa estratégia do governo de manter o desconto do IPI para carros novos é pelo fato do setor automotivo ser um dos mais importantes da economia, visto que movimenta diversos setores da economia.

E esse desconto é com certeza muito bem vindo para quem sonha em levar um carro novo para casa, por outro lado temos diversos efeitos colaterais, como ruas e estradas cada vez mais superlotadas, e empresas e montadoras tendo cada vez mais lucro com o aumento das suas vendas, lucros esses que são repassados para suas matrizes no exterior.

E sobre o preço dos carros, segundo alguns estudos realizados, mesmo com a alta carga tributária existentes no Brasil, é em nosso país que as montadoras acabam tendo mais lucro por carro vendido.

E a cada inicio de crise, as montadoras recorrem ao governo que acaba diminuindo algum tipo de imposto visando manter as vendas aquecidas, no entanto seria mais interessante se o governo pressionasse que as montadoras diminuírem suas margens de lucros estratosféricas, afinal o brasileiro paga o carro mais caro do mundo, e o pior leva para casa um carro menos equipa e muito menos seguro se comparado aos que são vendidos nos EUA e na Europa.

Infelizmente esse é um cenário que dificilmente irá mudar enquanto o brasileiro continuar disposto a pagar pequenas fortunas por um carro que poderia ser comprado por menos da metade do preço lá fora, uma vez que a nossa sociedade ainda vê o carro como forma de status ou de sucesso profissional e não simplesmente como um bem de consumo e de transporte como na maioria dos países do primeiro mundo.



Navegue:

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *