Recriar Dinossauros

|

Os dinossauros já foram recriados nas telas dos cinemas, porém existem alguns cientistas que buscam a possibilidade de recriar os dinossauros de verdade.


A pouco estava lendo uma matéria de 2099, onde um cientista canadense comenta a possibilidade de recriar os dinossauros, acreditem, a partir das galinhas, pois as aves são descendentes diretos dos dinossauros.

E como essa matéria me chamou bastante a atenção, achei interessante escrever sobre o assunto por aqui, afinal a algum tempo atrás escrevi um artigo com o título: “E se os dinossauros ainda existissem”, e sinceramente espero que essa idéia do pesquisador Hans Larsson, do Canadá, de recriar os dinossauros, nunca saia do papel e da mente dele, pois ao meu ver a ser humano atual, ou seja eu e você, somente existe pelo fato dos gigantes dinossauros terem sido extintos, pois já imaginou você ir ao trabalho e ter que ficar esperto para não acabar sendo atacado ou devorado por um tiranossauro Rex.

Ou seja, imagino, que se os dinossauros não tivessem sido extinto pela própria natureza a milhões de anos atrás, com certeza o homem teria dado um jeito e uma maneira de acabar com eles para poder viver e chegar a situação atual, ou será que estou enganado.

Por isso, após ler essa reportagem sobre um estudo e possibilidade de recriar os dinossauros, sou bastante cético, pois mesmo tendo um fundo científico, para explicar a evolução dos animais, creio que seria muito mais interessante gastar esforços e pesquisa para buscar melhoria para os problemas da humanidade, como a cura de doenças e de uma melhor qualidade de vida mais sustentável, e não tentar buscar recriar os dinossauros que deixaram nosso planeta a milhões de anos atrás, mesmo sendo uma tentação.

Pois eu sou bem claro, prefiro deixar os dinossauros nos museus e nos filmes!

E você amigo leitor, o que acha sobre esse assunto, concorda ou discorda da minha opinião, ou você é do tipo aficionado” por dinossauros e gostaria de ver eles correndo por uma espécie de Jurassic Park.



Navegue:
Um comentário

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *