Trabalho-O que é Internet 2

|

Neste trabalho conheça um pouco mais sobre a evolução e tendências da internet para um futuro muito próximo.


Hoje estava “fuçando” em um hd antigo que eu tinha, da época da faculdade, e achei diversos trabalhos que fiz durante a graduação, e achei que seria interessante estar postando eles aqui para ajudar como referencia ou até mesmo como base de estudo a quem precisa.

E o trabalho que irei postar aqui é sobre a Internet 2, é um trabalho simples e rápido que foi realizado em 2005, é isso mesmo 2005, acredito que esteja um pouco desatualizado, mas informação como eu sempre digo nunca é demais.

Introdução

Em outubro de 1996, 34 universidades americanas reuniram-se para formar o Comitê Geral de Trabalho da Internet 2. Pouco tempo depois, o governo do presidente Clinton anunciou seu apoio à iniciativa e o interesse na criação e administração da NGI (Next Generation Internet).

O projeto Internet 2 passou a ser, neste momento, o primeiro passo no novo empreendimento americano. Em janeiro de 1997, mais de 100 universidades americanas já haviam assumido compromisso formal com a participação no projeto. Atualmente o consórcio Internet 2 conta com o apoio e a participação não só do grupo inicial de universidades, mas também de centros de pesquisa, agências do governo e membros da indústria dedicados ao desenvolvimento de novas tecnologias Internet de alto desempenho. Empresas como IBM, Fore Systems, Cisco e outras também participam do projeto. A proposta do grupo é desenvolver as novas aplicações avançadas, que serão de 100 a 1000 vezes mais rápidas que as da Internet atual, como tele-imersão, telemedicina, laboratórios virtuais, educação à distancia, entre outras.

Mas a Internet 2 não é uma realidade apenas nos EUA, hoje no Brasil existe a RNP (Rede Nacional de Ensino e Pesquisa), que provê serviço Internet com facilidades de trânsito nacional, trânsito internacional, em uma infra-estrutura com alta largura de banda e suporte a aplicações avançadas.

Rede RNP 2

A RNP testa e aplica em sua rede tecnologias de última geração, como IPv6, multicast, QoS e NTP. O uso destas tecnologias garante um melhor funcionamento da rede e dá suporte a serviços e aplicações avançadas, como videoconferência, telemedicina, educação a distância, geoprocessamento, telefonia sobre Internet (VoIP), entre outros.

As tecnologias usadas na rede RNP2 são testadas antecipadamente em projetos-piloto desenvolvidos pelo próprio pessoal técnico da RNP e por grupos de trabalho financiados pela RNP e coordenados por pesquisadores externos.

A RNP está em contato permanente com iniciativas de outros países, trocando experiência ou mesmo participando do desenvolvimento de novas tecnologias, serviços e aplicações. Os técnicos que operam a RNP2, tanto no Centro de Engenharia e Operações como nos pontos de presença da RNP, são treinados em cursos no Brasil e no exterior, de forma a estarem aptos a lidar com as mais modernas tecnologias de rede.


Instituições Conectadas

Mais de 200 organizações conectam-se à rede RNP2. Praticamente todas as unidades de pesquisa e instituições públicas de ensino superior brasileiras fazem uso desta infra-estrutura Internet de alta velocidade.

Outras organizações de ensino e pesquisa públicas e privadas, inclusive universidades particulares, escolas técnicas do Ministério da Educação, alguns hospitais e instituições de fomento à pesquisa fazem parte da rede, beneficiando-se de um canal direto de comunicação entre pesquisadores, com suporte a aplicações e serviços avançados.

A qualificação das organizações usuárias é feita por uma comissão formada por membros do Comitê Gestor do Programa Interministerial de Implantação e Manutenção da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa de acordo com critérios estabelecidos na política de uso da rede.

Backbone RNP 2

O backbone RNP2 foi projetado para atender a requisitos técnicos de aplicações avançadas e começou a ser implementado em maio de 2000. Há 27 pontos de presença (PoPs) instalados nas principais cidades e capitais do país. A velocidade das conexões entre os PoPs chega a 622 Mbps, garantindo a largura de banda necessária ao tráfego Internet de produção (navegação Web, correio eletrônico, transferência de arquivos); ao uso de serviços e aplicações avançadas; e à experimentação.

O RNP2 possui duas conexões internacionais próprias. Uma, de 155 Mbps, é usada para tráfego Internet de produção. A outra, também de 155 Mbps, está ligada à Rede Clara, rede avançada da América Latina. Através da Clara, a RNP está conectada a outras redes avançadas no mundo, como a européia Géant e a norte-americana Internet2.

O backbone interliga todas as Redes Metropolitanas de Alta Velocidade, Instituições Federais de Ensino Superior, unidades de pesquisa e agências do Ministério da Ciência e Tecnologia e do Ministério da Educação, além de outras instituições de ensino e pesquisa públicas e privadas.

O Centro de Engenharia e Operações da RNP (CEO), apoiado pelos responsáveis técnicos dos pontos de presença (PoPs), monitora o funcionamento de todos os enlaces do backbone RNP2 24 horas por dia. Essa infra-estrutura de telecomunicações dá suporte à rede IP acadêmica de abrangência nacional, garantindo a comunicação e o uso de aplicações avançadas entre mais de 200 instituições de ensino e pesquisa.


Conclusão

A tendência é que a Internet aumente cada vez mais a sua velocidade e também o seu alcance. Projetos como os que surgem com a RNP ajudarão para que isso aconteça, fazendo que muitas pessoas tenham acesso a essa rede e desenvolvendo ainda mais pesquisas nessa área e ajudando em pesquisas em outras áreas através da internet.



Navegue:

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *